2 de outubro de 2016

Eu Não Faço A Menor Ideia Do Que Tô Fazendo Com A Minha Vida


   Olá people, tudo no dendê? Sim, falo assim mesmo, coisa de quem ama de onde veio (sou baiana, by the way). Bem, sou nova colunista aqui do blog e estou encarregada de falar um pouco sobre filmes e seriados que indico e adoro (ou não, vai que rola um bem ruim :P). A questão é que eu estou aqui pra ser aquela ajuda quando você quer assistir algo num domingo à tarde, por exemplo, ou apenas pra saber que filme é legal ou não (lembrando que o que eu disser aqui será só a minha opinião, ok?)
   Então, vou deixar de enrolação e começar logo o meu trabalho. Decidi escolher um filme estilo “teenager”, nacional (sem ser comédia ou drama, aleluia!) e descomplicado. Nada pesado, nada cheio de reviravoltas e complexidades, busquei algo bem “sessão da tarde” mesmo. Assim, com todas essas características, escolhi o filme:


Sinopse:

Clara, interpretada pela maravilhosa Clarice Falcão, é uma jovem que decide começar a faculdade de medicina mesmo não sendo o que ela realmente quer fazer. Entre todo um nó que se forma na sua cabeça ( o que fazer, que curso buscar e todas essas coisinhas irritantes), a garota resolve começar a matar aula, já que não aguentava ficar perambulando pelas disciplinas que não faziam o menor sentido pra ela. Com toda essa questão, ela conhece Guilherme (Rodrigo Pandolfo), o filho do dono de um boliche (lugar em que ela frequenta para matar aula) e, ao se identificar com ele, iniciam os seus planos de saber o que ela quer realmente da vida, com uma série de atividades incomuns e depoimentos dos mais diversos.

    Enfim, nem preciso dizer que esse é um filme que vai fazer muita gente se identificar com ele, né? Essa confusão da escolha profissional é mega comum e sei bem como nos deixa loucos. Além dessa história tão nossa quanto da personagem, a trilha sonora é uma obra prima à parte. Sou bem suspeita pra dizer, pois amo o estilo indie da Clarice (por exemplo), mas as músicas presentes no filme são doces e amáveis, daquelas que te encantam e te fazer querer ouvi-las inúmeras vezes.


   
   A verdade é que nunca tinha ouvido falar desse filme até encontra-lo por um acaso na Netflix. Como eu estava naqueles dias de preguiça e tédio, sem nada pra fazer, decidi procurar por filmes simples pra passar o tempo. Não dei nada pra esse filme de início. Achei que seria chato, superficial e sem graça nenhuma... Me enganei! Ok, esse filme está longe de ser um dos melhores ou algo assim, mas é um companheiro muito legal quando não se tem o que fazer, ou seja, em um dia preguiçoso.
Assim, termino a resenha com a classificação de estrelinhas (de 1 a 5), uma frase do filme e o trailer (pra que você dê aquela olhadinha marota).



Classificação: 
Frase:

“Você sabia que agora com nove faltas você repete automaticamente, independente dos resultados das provas?
Eu acho isso um absurdo, tira o direito do aluno de ser um gênio incompreendido”


Trailer:




Obrigada pela atenção e um beijo enorme com gostinho de acarajé! 







2 comentários:

  1. Assisti a esse filme recentemente e achei uma graça. É levinho, curto e fofo. O roteiro é mais ou menos, o elenco também, mas, no geral, é bonzinho.

    P.S.: achei o menino do boliche uma graciiiinha!

    blogdeclara.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ele é uma amor, não é??
      Justamente, é aquele filme levinho pra assistir bem de vez em quando, como um companheiro de preguiça. Que bom que gostou!

      Excluir